Falar por falar rouba energia do ser.

Falar por falar rouba energia do ser.

Palavras vãs, promessas fúteis, interesses superficiais, pequenas mentiras - no fundo, pequenos delitos contra o universo, contra si e contra as outras pessoas; assim poderíamos classificar o ato de materializar palavras em vão.

Sentir é preciso, respeitar é parte do processo, apreciar é a chave...
Viver é mais que um ato burocrático - falar demais está relacionado com o ato burocrático de viver, consagrando o ato de consumir e de algum modo, com o ato de expandir o vazio. Quanto mais vazio um recipiente está, mais barulho ele fará ao ser tocado. Imagine uma lata ou um tambor, quando preenchidos e quando vazios - há uma clara distinção entre os dois estados.

O ser humano acostumou-se a jogar as palavras de forma vazia, e isto rouba energia dele próprio. Prometer em vão, jogar frases no ar sem compromisso algum com o que está sendo falado, como se o falado num momento não mais tivesse relação com a vida depois. Assim vemos a educação que ensina a ação, mas esquece-se de educar o pensar, o sentir, o perceber e o intuir.

Pronunciamentos vagos, evasivos e sem chances de realmente acontecer são produtos diários da jactância verborrágica de políticos ou falso profetas dos novos tempos, aí não me refiro só aos falsos místicos, mas inclua-se aí os profetas da economia ou críticos de poltrona, que se constituem em verdadeiros gurus dos novos tempos, propondo caminhos e soluções, como se o planeta vivesse apenas de números - vazios na maioria das vezes, que são usados com propósitos questionáveis e algumas vezes deploráveis.

Estruturar aquilo que vai ser falado é importante, mas sem a integração experiência vivida - sentida vai resultar em cria estéril do intelecto, sem unidade com a mente e sem força.
Saber deixar fluir as palavras junto do sentimento do que elas retratam pode dar força a quem ouve,
mas o poder daquele conhecimento só vai ser expresso quando colocado em prática.

Quando falar, o que falar e como fazê-lo?
O conteúdo pode ser importante, ou não; isto não é o que mais importa.
O que importa?
Não o poder intelectual, mas o poder moral, que reside, não nas palavras, mas no espírito de quem as profere.
Perceber o quando se pronunciar é algo que só com sensibilidade se consegue; o que falar e como fazê-lo é algo que a intuição indica - para tanto a relação com o silêncio é um requisito.
Pode parecer paradoxal relacionar falar com silêncio, mas considerando-se que a natureza original do ser é a paz, que pode ser entendida como um estado de silêncio interior, a experiência do silêncio não deveria ser tão distante da realidade interior das pessoas.

A prática do silêncio interior possibilita o fortalecimento da harmonia interna e o convívio em ambientes de ruído externo sem resultar em influências diretas na pessoa.
A pessoa em harmonia consegue perceber o momento de interagir e capta o tipo de atitude a ter - mesmo em situações de conflito ou conturbações externas; assim, sensibilidade e harmonia se inter-relacionam de maneira estreita e determinam a qualidade do que vai ser externalizado, sejam palavras ou atitudes.

Integrar a energia que vem da alma, a energia que vem dos sentimentos ou da percepção alimentada pela experiência vivida - ou pelo menos sentida, às palavras escolhidas para retratar o que vai ser falado - isto é o que faz da arte de se expressar, algo especial e com "espírito", que vai criar mais vida e transferir algum significado a quem ouve, ao mesmo tempo que vitaliza quem fala.

Autor: Herbert Santos Silva
Livro: A Mente Saudável - Para Viver uma Vida Melhor
site http://intuicao.com
Foto: disponibilizada pelo banco de imagens do site stockxpert

Enviar por e-mail Enviar por e-mail