É possível viver em paz num mundo como o nosso?

É possível viver em paz num mundo como o nosso?

Por Charles Hogg.

Estresse é uma palavra muito ouvida nos últimos dez anos. Descobrimos que não é apenas o homem de negócios engravatado que sofre com isto, mas todos nós.
Estresse é definido como a inabilidade de lidar com as mudanças e, assim não é nenhuma imaginação, que estejamos todos estressados considerando que, nos últimos cinquenta anos, o mundo viu mais mudanças que em todo o resto da história!

Construímos uma rede de suportes em torno de nós. Uma rede formada por nossos relacionamentos, posição social, posses e tudo aquilo que vem na mente como sendo nossa auto-imagem.
Vimos que as coisas ao redor estão em constante mudança. Quando as adotamos como nossos suportes, também nos tornamos vítimas de todas estas mudanças.

Precisamos de paz, amor e felicidade. . .

As experiências mais necessárias para todos nós são de paz, amor e felicidade. Mas porque não as desenvolvemos internamente, usamos nosso sistema de suportes para alimentar o eu.
Quando esta rede está instável e não recebemos estas coisas, experimentamos um completo vazio.
O principal suporte que temos é o relacionamento com os outros.
Não há dúvida que a coisa mais importante na vida é a experiência do amor.

Amor é o alimento absoluto para cada indivíduo, mas estamos incapazes de amar o próprio eu e acabamos dependendo daqueles que estão à nossa volta. Então, quando eles estão instáveis, nós nos tornamos imediatamente afetados e nosso estado mental torna-se negativo.

O grau de instrução e profissão são outras formas de suporte, onde desenvolvemos sentimento de aquisição e esperamos que possam trazer satisfação na vida.
Mas quando a carreira profissional não vai como o esperado nós nos tornamos suscetíveis a esta instabilidade e começamos a perder a auto-estima.

Outra forte base de suporte neste mundo é a riqueza. Por que corremos atrás dela?

Freqüentemente intelectualizamos que ela não é necessária para a felicidade e ainda assim ficamos nesta corrida, vendo que riqueza nos dá um sentimento de segurança, levando-nos a um estado de paz mental.
Mas, quando há falta ou perda de riqueza. . .Onde isto nos leva?
Descobrimos que nelas não há nenhuma estabilidade e que se vivermos por isto estaremos destinados apenas a nos tornar suas vítimas.

O que deveríamos fazer?

Fugir ou escapar é sempre uma alternativa que todos nós conhecemos.
De um jeito ou de outro teremos que encarar a verdade no final.
Um dos métodos mais populares de fugir da verdade é a difamação (apontar os dedos).
Apontar o dedo, freqüentemente, é uma maneira de tentar lidar com a confusão ao redor.
Na verdade, é muito irracional e pouco realista esperar que algum suporte externo não vá flutuar, especialmente, nesta época.

É inevitável que estejamos envolvidos com nossa própria rede de suporte, vivendo próximos aos nossos amigos, amando parentes, desenvolvendo nosso trabalho, etc.
Mas, talvez nós precisemos ser auto-suficientes internamente.
Talvez precisemos nos tornar pessoas sadias, vivendo sobre nossos próprios pés e, a partir daí, apreciar as estruturas de suporte sem depender delas.
Talvez esta seja a maneira de nos sentirmos confortáveis na vida. Quando somos visita na casa de alguém, não sentimos como se as coisas fossem nossas ou dependemos delas. Somos conscientes de que estamos apenas de passagem.
Usamos tudo e gostamos, mas não nos tornamos dependentes.

Meditação é um método para desenvolver auto-suficiência de tal forma que possamos verdadeiramente experimentar um sentimento de calma interior em todas as circunstâncias.
Na verdade, tornamo-nos capazes de criar este sentimento internamente.
Realmente o estudo da meditação é, primeiramente, para nos olhar internamente, descobrir nossos próprios recursos e como podemos usá-los para permanecer sempre estáveis. Dentro do nosso sistema educacional grande valor é dado para a aquisição externa, mas meditação dá valor à aquisição interna, pois começamos a entender a natureza da mente:
A mente cria pensamentos 24 horas por dia, não apenas, enquanto acordados, mas dormindo também. A mente é o instrumento mais poderoso que existe. O que quer que tenha sido feito sabe que foi criado pela mente. A mente tem a habilidade de criar as mais belas coisas. . . A mais bela música e a arte. Sabemos também quão brutal e destrutiva pode ser a mente humana.

Um exemplo da Austrália; médicos-bruxos aborígines têm a habilidade de lançar um encanto em alguém apontando um chifre. Uma vez que aquilo é apontado, a pessoa literalmente, passa a querer morrer. Não há absolutamente nada que alguém possa fazer a respeito disto.

Por outro lado, todos nós ouvimos histórias de pessoas prontas para morrer, mantendo-se vivas por semanas, meses ou anos, até poderem ver alguém ou realizarem alguma tarefa que tinham de realizar antes de ir.
A mente ao criar pensamento poderoso, conduz a si mesma para aquele destino.
Fomos ensinados que a mente pode criar mais de 2000 pensamentos por minuto!
Há tanta atividade acontecendo dentro dela.
Meditação é a prática de começar a selecionar dentre todas estas atividades. É também um processo onde começamos ter algum controle sobre a qualidade dos pensamentos.
Todos nós conhecemos as expressões “boas vibrações“ e ”más vibrações”.
Tudo isto é função dos nossos pensamentos.

São nossos pensamentos que criam a atmosfera do mundo e são eles que podem mudá-la.

O que começamos ver é que perdemos o controle sobre nossos pensamentos.
Parece haver um conflito entre nossa consciência e os desejos.
É como se os desejos puxassem e fossem mais fortes que a nossa vontade ou consciência.
Parece que criamos um mundo onde a mente é escrava das coisas externas e possuímos tão pouco controle interno... A mente tornou-se uma vítima dos ciclos negativos de pensamento.

Meditação é um método para começar a mover a mente em ciclos positivos de pensamento.

Parece haver duas maneiras pelas quais os pensamentos ocorrem na mente.

Podemos chamar isso de sombras e influências.
As sombras são coisas do passado, imagens e experiências vividas, que lampejam na tela da mente. Há pensamentos e sentimentos, mas realmente, os sentimentos são mais poderosos. Sombras são como pensamentos do passado que criam sentimentos no presente.

Há as influências do mundo externo: pessoas, situações e circunstâncias. Normalmente é como se elas controlassem completamente o eu, gerando pensamentos de diferentes qualidades.

A meditação leva a mente a ter pensamentos de paz, preenchidos de auto-respeito o que nos livra das sombras e influências negativas, trazendo de volta a força interior.

Acho que este trabalho de pensamentos é o segredo para vivermos em paz, ainda que, no meio de grandes tempestades.

Om Shanti (saudação de paz).
-------------------------------------------
Charles Hogg, consultor e coordenador nacional da Organização Brahma Kumaris na Austrália.

Imagem: pixabay

Enviar por e-mail Enviar por e-mail