Depressão, os sonhos não se perderam

Depressão, os sonhos não se perderam.

Por Diane Tillman.


A depressão parece distante. E então. . .
Ressurgem velhos hábitos de pensamentos críticos ou velhas maneiras de reagir. Entender “os baixos” pode ser muito útil para abreviar estes momentos, de forma a experimentar novamente ”os altos” tão apreciados.
A depressão é uma baixa difícil, uma vez que a dor, o sofrimento ou a tristeza podem ser intensos, e vem sempre acompanhada pelo pensamento de que sempre nos sentiremos assim.

A depressão é parte do processo de lamentação pela perda de um sonho. Parece que todas as pessoas, com as quais tenho trabalhado, compartilham um sonho comum: um desejo de serem felizes e contentes interiormente, de serem amadas e valorizadas nas relações, de serem parte de um mundo seguro.

O conhecimento espiritual acrescenta novos elementos ao tradicional entendimento da psicologia nesta área. A meditaçãoRaja Yoga nos lembra que nosso estado natural é sermos cheios de paz e plenos. Neste sentido, o desenvolvimento da consciência da alma opera com as leis do amor. Quando as pessoas iniciam um caminho espiritual experimentam um alívio imediato ao se libertarem da dinâmica do ego e do poder que parecem governar o mundo moderno.
O sonho de serem completas é experimentado através da meditação e a esperança gerada alimenta uma elevação espiritual.

A dinâmica do sentimento gerado pela perda de amor, de segurança e esperança é a mesma, para todas as pessoas que experimentam a depressão. No estado de depressão profunda ou de uma intensa dor emocional, os sentimentos podem ser torturantes. É como se houvesse um gemido interior. Este sofrimento intenso é normalmente desproporcional à situação que gerou.

Mais uma vez o conhecimento espiritual fornece uma nova explicação. É entendido que a dor é muito maior que o fato gerador.
Uma vez entendida esta dinâmica, torna-se mais fácil colocar em perspectiva o evento gerador atual e focalizar a cura da dor.
A energia de amor experimentada através da meditação, e a mudança na percepção do eu constituem ajudas incalculáveis para a cura desta dor oculta.
Na Califórnia, cada vez mais os psicólogos estão se utilizando de práticas espirituais no tratamento de questões que resistem a mudanças com métodos psicológicos tradicionais.
Os estágios vivenciados pela maioria das pessoas que experimentam a dor da perda são: negação, depressão, raiva, negociação e aceitação. Pessoas cronicamente deprimidas carregam traumas não resolvidos e ou desequilíbrios químicos.

1. Meditação, o caminho da cura

O tratamento psicológico torna-se imperativo para as pessoas que vêm experimentando a depressão ao longo dos anos, sentem-se constantemente oprimidas ou têm tendências suicidas.
No meu trabalho junto a pessoas quimicamente equilibradas, a depressão parece ser resultado do ato de se prenderem ao processo de dor. Elas sempre sentem a falta de algo e/ou a inabilidade para, sozinhas, resolverem seus problemas internos.
A energia de amor e paz, advinda da prática da meditação, naturalmente reduz as tendências negativas. No entanto, os velhos hábitos precisam vir à tona de vez em quando, de forma a poder haver um processo completo de transformação.
Alguns podem ter uma reação de raiva outros podem temer não serem bem sucedidas. E para outros um sentimento de inutilidade ou desesperança surge, conduzindo ao estado depressivo.

2. Mais próximos do nosso sonho

Um método inestimável para a conquista da depressão é o desenvolvimento do auto-respeito, com base nas qualidades eternas essenciais. Medite sobre as virtudes. A humildade e o auto-respeito são essenciais para se evitar a arrogância – uma precursora comum do sentir-se tolo e conseqüentemente indigno. Desfrute do contentamento, da luminosidade, benevolência e paciência. Adote um pensamento espiritual que o faça sentir-se maravilhoso e aproveite em ser aquilo enquanto trabalha, cozinha e caminha. Alimente a mente com pensamentos bonitos. A mente é naturalmente ativa e se não for alimentada com algo mais nutritivo, trará de volta os velhos hábitos de pensamento.
Uma outra forma de transformar a tendência para a depressão é desenvolver interiormente um pai/mãe amoroso. Observe como você se trata em uma conversa interior. Reconheça quaisquer comunicações críticas internalizadas, depreciativas, indutoras de culpa ou acusatórias. Desfrute do ato de desenvolver o pai/mãe amável. E mais, não se compare com os outros. Somente na “consciência de corpo” existem sentimentos de superioridade e inferioridade. Ambos os tipos de comparação acontecem no momento em que as pessoas tentam extrair seu valor do mundo exterior, ao invés de permanecerem centradas interiormente. A simples aceitação do eu no momento presente fornece poder. Quando estamos deprimidos, andar e se exercitar ajudam a manter o equilíbrio químico. Importante também é dormir o suficiente e manter uma dieta pobre em açúcar e cafeína.
Conversar com alguém que nos valorize pode trazer uma perspectiva mais alentadora.

Se você decidir encarar uma raiz emocional, encare-a com suavidade. Permita-se experimentar seus sentimentos, cerque-se com a luz do amor e torne possível a ajuda de Deus. Encontre uma relação com Deus, onde o amor e a força possam ser aceitos. Uma vez que o amor tenha sido experimentado em yoga com Deus, Ele poderá ser seu em outras relações. Em cada evento há sempre algo de belo para aprender. Pode ser uma nova consciência da importância e beleza de uma virtude. Em cada percepção, nos tornamos mais próximos de nosso sonho.

---------------------------------------------------------
Diane Tillman é psicóloga e pedagoga infantil na Califórnia.

Enviar por e-mail Enviar por e-mail