A intuição como leme para as mudanças

A intuição como leme para as mudanças.

Um bambu tem o caule e as folhas que podem pender e curvar-se, até mesmo completamente, mas suas raízes estarão dando suporte para que ele não se desprenda do solo. A base sempre permanece estável.
Na vida, nos negócios, nos relacionamentos, na família, podemos, e mesmo devemos, ser flexíveis, mas a base tem que permanecer estável.

A diferença é que na vida a base tem que ter estabilidade dinâmica, não estática, longe do sentido de ser fixa ou rígida.
Como uma bailarina em seus saltos, giros e movimentos, a alma deve dançar o jogo da vida, experimentando os movimentos mais variados e inesperados possíveis com harmonia, mas, sempre, mantendo o foco.

Com a base estável, mesmo experimentando a dinâmica das mudanças e variações nas nossas vidas, o ponto de referência será o que mantivermos como nosso foco - que deve nos alinhar ao que Deus, e nós mesmos, internamente, sabemos ser o propósito de nossas vidas. .
As experiências podem variar. Podemos pender, avançar, retroceder, subir, descer, cair e levantar, seguir reto ou girar, não importa: o aspecto relevante a considerar será sempre nos alinharmos com o foco nas leis de Deus - a maior delas é o amor; a paz e a compaixão são outras importantes.

O viver com foco induz à harmonia, que naturalmente se traduz em disciplina.
Disciplina não significa rigidez ou falta de flexibilidade, mas a habilidade em manter o foco visível, independente dos fatores externos ou internos que podem estar próximos ou distantes de nós.
Quando mantido o foco podemos aparentar para quem vê de fora, que esteja havendo dispersão, mas a nossa referência estará presente.

Uma criança brincando está muito mais concentrada do que pode aparentar. Mesmo que muita coisa esteja acontecendo a seu redor, ela permanece em seu mundo, mais “concentrada” que muitos adultos treinados na arte da concentração.

Manter o foco não significa ter os olhos, movimentos e ações rígidos e fixos numa determinada direção. Significa manter a referência e sempre voltar a ela.
Numa vida consciente saberemos como e quando agir, através do leme da intuição e da sua harmonia com a razão, que resulta em equilíbrio mental e emocional. Saberemos, também, para onde dirigir nossa visão, sempre intuindo como e quando identificar um foco alinhado com Deus.
Então, haverá uma grande disciplina, natural e espontânea, aliada à harmonia, naturalidade e grandiosidade.

Ter o foco presente significa ter a visão ampla, como um pássaro que, por mais alto ou mais distante que vá, sabe que tem um ninho onde repousar. Significa estar em plena liberdade, sabendo tornar sua referência aconchegante e confortável, nunca uma gaiola que aprisiona.

Manter o foco no coração é uma escolha sábia, quando nele temos o amor e a paz.
Quando sentimos que nosso coração está vazio, ou razo dessas qualidades, a solução é preenchê-lo.
Como fazê-lo é algo que intimamente cada um saberá fazer; mas se houver dificuldade inicial, manifeste a vontade internamente; um 'pouquinho' de vontade funciona como a centelha que te acende a luz interior, que pode mostrar como preencher o coração de amor e paz interior.

A disciplina quanto mais natural se torna, mais se aproxima da harmonia.
A disciplina deve ser encarada como um instrumento do amor e nunca como uma arma do temor.
Os focos da vida de cada um são distintos, e só podem ser mantidos com disciplina, que é algo íntimo e não de fora para dentro.

No momento atual, de crises e insegurança, extrema agressividade e excessos de materialismo, deve haver mudanças de foco e elas devem estar relacionadas à renovação dos conceitos fundamentais no viver e não na sua simples reorganização. Devem estar orientadas na descoberta do novo e não na “camuflagem” do antigo. Devem estar alinhadas com as leis universais de Deus, como amar a Deus e amar o próximo; entender a profundidade da lei do Karma (ação e reação) e a lei da imortalidade da alma.

Caso contrário, muito possivelmente, o foco mais elevado não se manifestará e a energia será dirigida a direções habituais, o que induzirá a focos limitados e limitantes, que é o que tem ocorrido no decorrer dos tempos. Aquele alinhamento - que respeite as leis universais é o processo a ser estabelecido para o estabelecimento de focos com alto padrão, tanto no nível espiritual quanto no emocional e no mental.

Isso implica em acessar qualidades e potenciais que temos mas que, no momento, nem mesmo podem ser imaginados. Portanto, não se deve pensar onde chegar, mas deve-se simplesmente se sentir pronto a partir de um ponto, sem impor limites a uma caminhada que não saberemos como será e a que ou a quem nos apresentará.

A necessidade vital do momento está em elevarmos nossas consciências e saber como selecionar referências novas, que sejam elevadas, de fato e, a partir daí, manter um foco. Nesta caminhada, vários focos iluminados - por Deus e por seus ajudantes, apresentar-se-ão de maneira intuitiva e servirão como guias a nos conduzir por caminhos que não conhecemos. Esses focos darão luz e sinalizarão por onde seguir ou alertarão em caso de caminhos que devem ser evitados.

A novidade para nós, seres humanos com experiências de milênios neste planeta reside não na forma, mas na essência, do que realmente devemos valorizar e desejar. Então, os canais da razão e da intuição, em conjunção, abrirão o caminho de acesso à renovação, que nasce da descoberta de novas maneiras de 'enxergar' e 'entender', inclusive, as velhas ideias. Um caminho que nos possibilitará dar expressão à vida de novas formas de linguagens e que possibilitem uma renovação real, permitindo-nos, inclusive o desabrochar de valores genuínos e de potenciais naturais que já possuímos, mas ainda não fazemos uso.

A intuição é quem poderá dar acesso a conceitos mais abrangentes de valores que a humanidade hoje experimenta em nível limitado e transitório e, também, ser a chave a abrir nosso tesouro interior de qualidades e capacidades que, se usados hoje em proporção mínima, são conhecidos como 'verdadeiros milagres'.

Quanto mais conectado estivermos com a energia de Deus, mais a intuição será experimentada em momentos de manifestação de lucidez ou 'insights'.
O coração não tem dúvidas e ele usa a intuição como linguagem As dúvidas ganham vida, quando usamos apenas a razão infestada de dados e informações as mais caóticas.
A essência do método de renovação no viver implica em deixar o coração autolimpar-se de mágoas, ansiedades e temores e deixá-lo expressar-se, para então ser escutado, mais e mais, até que nossa consciência atinja novos níveis de referência, mais iluminados e menos limitantes.
Usar apenas razão para tentar entender o coração é querer que uma pessoa aprenda a nadar, por mais teoria que tenha, sem nunca entrar na água.

Acessar as raízes do amor incondicional genuíno e da paz interior, do desapego preenchido de amor e da felicidade ilimitada e deixar que essas e outras raízes preenchidas de essência dêem suporte à nossa estabilidade e alimentem a transparência no enxergar e manter focos elevados é possível com a manifestação prática da intuição divina.

O momento é de manter o foco em Deus, no sublime e no que há de mais genuíno dentro de si. Esta é a tarefa para cada um de nós neste momento da história. Devemos fazer nossa parte e confiar, agindo por um novo mundo, num novo ser, no 'melhor eu' que sabemos que habita cada um de nós.

Isso requer atitudes que possibilitem ao ser experimentar linguagens novas, através do uso da intuição, e que o levem a acessar e vivenciar com o coração áreas que a razão não acessa.
Essa aprendizagem se dá com a prática, como nos saltos da bailarina, com a aprendizagem de como manter o equilíbrio, experimentando harmonia e leveza e completo equilíbrio, mesmo sem ter a segurança de estar no chão.

A prática de intuir sempre poderá ser fortalecida com a reserva de um tempo diário ao silêncio, à meditação, às orações ou práticas pessoais que deixem a pessoa em harmonia consigo mesmo.
O fluxo dos eventos que a vida apresenta não deve ser o que dá segurança e harmonia. Independente deles, focado no coração, deve-se alimentar o gosto pela harmonia e leveza na vida, mesmo sem ter o conhecimento do que virá e mesmo que, aparentemente, não sinta ter o “controle” nas suas mãos.

A mudança se dá no modo de aprender, com a intuição como parceira e parte do time de que temos à nossa disposição.
Isso conduzirá o ser a um salto que resultará em transformação pessoal e do mundo em geral numa velocidade além da imaginada.

------------------------------------------------------------

Autor: Herbert Santos Silva
Texto adaptado, inspirado no capítulo 'O leme da Intuição' do livro: 'Intuição.com – Reflexões Para Viver uma Vida Melhor'
site http://intuicao.com
Foto: disponibilizada pelo banco de imagensmorguefile

Enviar por e-mail Enviar por e-mail