Frente à frente com uma fraqueza

Frente à frente com uma fraqueza.

Quando estamos face a face com uma fraqueza, conforme estiver nosso estado de consciência, será a forma como veremos aquilo que passou ou aconteceu. A chave que abre a porta à esperança é: pode haver clara transformação na forma de vermos e entendermos erros, problemas e obstáculos que, aparentemente nos chateiam e nos entristecem.

O que passou, passou, aconteceu!
O que pode mudar é o estado em que conservamos nossa consciência.
Como a iluminamos ou como a obscurecemos é uma escolha que cada pessoa faz.
Sob a luz há descobertas, há o descortinar de passagens obscuras e escondidas e é sob a luz que a transformação pode acontecer.
Não deve haver medo, pois o medo nos afasta da luz e é o caminho, aparentemente mais fácil a escolher, quando não se quer mudar. Mas isso é um grande engano.
Devemos amar a luz e fortalecê-la dentro de nós.
Não se deve fugir por atalhos que acabam por conduzir à escuridão, que somente cobrem e distorcem a realidade, mas que não a muda.
Os meios mais habituais de se fugir da luz são o julgamento, a punição, o vaguear desencontrado e o deixar-se levar ao obscuro, pelas mão da razão, quando baseada em falsas referências.
A punição por vezes é sutil, mas sempre dolorosa. À auto punição não se deve dar espaço nem chances. Ela é uma adversária desleal, pois não respeita o coração.
A tristeza com o passado é uma forma disfarçada de punição, mas não deixa de ser punição.
O passado passou. Se algo denso se descortina e se revela, por percepção, sonhos ou lembranças, é para aprender ou para reparar o que foi feito. Aquela lembrança não está ali para derrubá-lo novamente: este é um ponto a reforçar, para si próprio.
À luz da verdade há a iluminação do coração e da mente e aí há a iluminação do caminho para liberação do passado.
Se a gaiola onde o passado se aprisionava ou se escondia se abriu, não é para assustar, mas é para que seja liberado para sempre.
O nosso papel é deixar que essa liberação aconteça, não com medo ou tristeza, mas com coragem, felicidade e clareza, e também com amor, tanto em sentimentos como em ações, pois o que mais mantém o passado aprisionado é a mágoa ou o medo. Não há solvente mais poderoso que o amor para dissipar a mágoa ou o medo.

Autor: Herbert Santos Silva
Livro: A Mente Saudável - Para Viver uma Vida Melhor
site http://intuicao.com
Foto: Pixabay

Enviar por e-mail Enviar por e-mail